Você está em: Inicial » Angola // Brasil // Cabo Verde // Crônicas // Curiosidades // Galiza // Guiné-Bissau // Literatura Poesia // Literatura Prosa // Macau // Matérias Especiais // Moçambique // Países // Portugal // São Tomé e Príncipe // Timor Leste » “SER VETERINÁRIO”, Prosa da poetisa CRIS CERVO – “Poema do Veterinário” de outra autoria

“SER VETERINÁRIO”, Prosa da poetisa CRIS CERVO – “Poema do Veterinário” de outra autoria

SER VETERINÁRIO
(09 de Setembro- Dia do Médico Veterinário)
Na minha forma de pensar, não é apenas a faculdade  que forma um veterinário, creio que não basta  apenas estudar e sair com um diploma na mão, um legítimo médico veterinário, tem que acima de tudo amar os animais, independente de raça, espécie, tamanho, cor ou idade, porque esse amor, será o instrumento principal para o desenvolvimento de um trabalho prazeiroso e com bons resultados, porque por mais que  se  estude, por mais que se saiba, e por mais que se dedique, nada, absolutamente nada sairá bem feito, quando não existe amor no que se propoe a fazer.
Um veterinário que  não ama animais,  e eu bem sei que existem muitos, é como um livro em branco, não tem histórias e com certeza ninguém vai achá-lo interessante.
Hoje os animais fazem parte da nossa família, da nossa rotina,  e lhes dedicamos em especial um afeto imenso, pelo que  representam para nossa vida que é o amor incondicional, afinal um pequeno ser que nos ama com todos os defeitos que possuímos, só pode mesmo ser superior a nós. 
Porisso hoje minha homenagem é para todos  os profissionais especiais que conheci, profissionais que se empenham em salvar vidas, dando de si o melhor, para o bem estar de pequeninos que  chegam até suas mãos, sabendo fazer a  diferença, atuando nesta maravilhosa profissão, com verdadeiro profissionalismo, ética, amor, consideração e respeito que TODOS os animais merecem.
Poema do Veterinário
Ser veterinário, não é só cuidar de naimais.
É sobretudo amá-los não ficando somente nos padrões éticos de uma ciência médica.
Ser veterinário é acreditar na imortalidade da natuteza e querer preservá-la sempre mais bela.
Ser veterinário é ouvir miados, mugidos, balidos, relinchos e latidos, mas principalmente entendê-los e amenizá-los.
É gostar de terra molhada, de mato fechado, de luas e chuvas.
Ser veterinário é não se importar se os animais pensam, mas sim, se sofrem.
É dedicar parte de  seu ser à arte de salvar vidas.
Ser veterinário é aproximar-se de instintos.
É perder medos.
É ganhar amigos de pêlos e penas, que jamais irão decepcioná-lo.
Ser veterinário, é ter ódio de gaiolas, jaulas, correntes.
É perder tempo apreciando rebanhos e vôos de gaivotas.
É permanecer descobrindo, através dos animais, a si mesmo.
Ser veterinário é ser o único capaz de entender rabos abanando,
arranhões carinhosos e mordidas de afeto.
É sentir cheiro de pêlo molhado, cheiro de almofada com essência de gato,
cheiro de baias, de curral, de esterco.
Ser veterinário é ter coragem de penetrar em um mundo diferente e ser igual.
É ter a capacidade de compreender gratidões mudas, mas sem dúvida alguma,
as únicas sinceras.
É adivinhar olhares, é lembrar de seu tempo de criança, é querer levar para casa
 todos os cães sem dono.
Ser veterinário é conviver lado a lado com ensinamentos profundos
sobre o amor e sobre a vida…
Nesta minha homenagem o meu carinho em especial para:
Dra. Patrícia Bruder
Dra. Doris Bruder
Dra. Patrícia Padovez
Dra. Zilda Mayer
Dra. Ana Carolina Rodrigues
Dra. Keila Danila
Dra. Walesca Pessoa Marotta
Dra. Andrea Lambert (RJ)

 

 

Cris Cervo

 

São José do Rio Preto

 

 

 

 

1 Comentário + Comentar

Deixe um comentário





Voltar à página anterior Imprimir esta página

Patrocinadores


  • logo_aa

Design e Desenvolvimento - MagicSite Internet Solutions