Você está em: Inicial » Angola // Brasil // Cabo Verde // Galiza // Goa, Damão e Diu // Guiné-Bissau // Macau // Matérias Especiais // Memórias // Moçambique // Notícias // Países // Portugal // São Tomé e Príncipe // Timor Leste » MONIZ BANDEIRA- O BRASILEIRO MARCANTEE E A IMPRENSA DAS CELEBRIDADES FÚTEIS

MONIZ BANDEIRA- O BRASILEIRO MARCANTEE E A IMPRENSA DAS CELEBRIDADES FÚTEIS

1 de 3.497

 
 
Nova janela
 
 
x
 
 
 

 

 

MONIZ BANDEIRA-  

O GRANDE BRASILEIRO DO QUA L  A  IMPRENSA BRASILEIRA MARRON  NÂO FALA  EM  TROCA  DE CELEBRIDADES FÚTEIS E SEMI- ANALFABETAS

                                          MONIZ BANDEIRA

                                   EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

Para o mundo,o Brasil está na lata do lixo.

Um Executivo desmoralizado, composto por políticos altamente corruptos, um Legislativo quase todo vendido e um judiciário que politiza as suas decisões.E ninguém tem mais ideologia.”

                        (MONIZ BANDEIRA – Salvador, 30 de dezembro de 1935 – Eildelberg, Alemanha  –10 de novembro de 2017)

Perdemos Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira.

Mais ainda: a intelectualidade internacional sofreu uma considerável perda,

Professor universitário, cientista político pela USP (Universidade de São Paulo), historiador, e também, especialista em Política Exterior do Brasil, o  pensador baiano estava radicado na Alemanha há vários anos.

Mais que isso: lutou, em toda a sua vida, para a construção de um modelo essencialmente nacional para o nosso país.

Sempre batalhou para que o Brasil não se apequenasse.Sonhava com um paísl altivo, desenvolvido e justo.Aspirava um país soberano, que fosse protagonista, e não mero grão de areia na imensa praia global.

Suas obras são referências na ciência política e na sociologia, como avaliou Luiz Lasserre.

Entre elas, estão “A Desordem Social (2016), A Segunda Guerra Fria (2013), “Formação do Império Americano (2005), “Lênin – Vida e Obra (1978) e “O Ano Vermelho” –a Revolução Russa e seus Reflexos no Brasil”  (1967) – as duas últimas foram relançadas neste ano  em função do centenário da Revolução Russa.

Visceral, orgânico, acreditava fundamente no que dizia em palestras e conferências  e no que escrevia.

Dizer que um pensador, acreditava profundamente no que falava e escrevia, pode parecer um lugar-comum ou até redundância, mas faço tal observação, porque muitos, no fundo, não acreditam no que dizem ou escrevem.

“Moniz Bandeira tem um posicionamento marcante em favor da política cultural, da defesa da liberdade de expressão e da nacionalidade brasileira”, afirmou o então presidente da UBE, Joaquim Maria Botelho, quando o nome do pensador baiano foi indicado pela UBE (para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura) por seu “trabalho como intelectual que vem pensando o Brasil há mais de 50 anos”.

(Salvador, Bairro da Graça, novembro de 2017)

 

Quando completou 80 anos, em 2016m, foi homenageado na sede da UBE (União Brasileira de Escritores) com grande seminário intitulado: “80 Anos de Moniz Bandeira”.

Ele captou a nossa enorme crise, na convicção ded que o Estado brasileiro parecia desintegrado.

E não está?.

Indicado ao Prêmio Nobel de Literatura em 2015 pela UBE, Moniz Bandeira é autor de obras que são referências na ciência política e sociologia.

Sua extraordinária obra foi destacada pela profundidade com eu abordava os temas propostos

1 Comentário + Comentar

Deixe um comentário





Voltar à página anterior Imprimir esta página

Patrocinadores

  • logo_aa

Design e Desenvolvimento - MagicSite Internet Solutions