Você está em: Inicial » Angola // Brasil // Cabo Verde // Crônicas // Galiza // Goa, Damão e Diu // Guiné-Bissau // Literatura Prosa // Macau // Matérias Especiais // Moçambique // Países // Portugal // São Tomé e Príncipe // Timor Leste » A BELA E O IMPERADOR – De Anna Maria Ribeiro

A BELA E O IMPERADOR – De Anna Maria Ribeiro

Foto do perfil de Anna Maria Assis Ribeiro

Anna Maria Ribeiro

 Hoje falo do passado. E põe passado nisto! Coisas que ocorreram com alguém cuja beleza e juventude nada têm a ver comigo. Porque Eudoxia, a heroína desta história, era deslumbrantemente bela. E foi esta beleza que lhe valeu riqueza e fausto jamais sonhados naquela casinha onde vivia à margem da estrada poeirenta, onde cuidava dos porcos, fonte de renda da modesta família.  Por artes do destino um dia por lá apareceu garboso em seu cavalo negro, um meu tataravô. E pelas mesmas artes, no exato momento em que passava em frente à casa de Eudoxia, porcos em fuga desabalada cruzaram a estrada, assustando o corcel do tataravô. Aos pinotes este o arremessou ao chão. O rapaz (era ainda muito jovem) desmaiou. Ao que se conta quando abriu os olhos deu com o rosto de Eudoxia que se curvara sobre ele, tentando reanimá-lo. Faltou-lhe o ar, pensou ter morrido: só podia ser um anjo! Quando se deu conta de que não era e que, ao contrário, havia muita carne e muito osso… perdeu-se de amores. De nada valeram a fúria do pai e os chiliques da mãe que gritava “meus sais, meus sais”, ameaçando o desmaio em meio ao choro convulso: casava-se ou definharia do mal de amor! Conta a história que de fato começou a definhar a olhos vistos e a escrever poesias fazendo com que os pais, que não o queriam nem morto nem poeta, consentissem nas bodas. Deram um banho de loja em Eudoxia que se deixou embonecar e ficou mais linda ainda. Tímida, era praticamente muda incapaz de emitir um som diante da rispidez da sogra e sisudez do sogro. Para o noivo apenas sorria e deixando escapar entre os lábios um doce Meu senhor... cujas reticências revelavam promessas de prazeres inimagináveis. Tivesse falado, ainda que pouco, antes de consumar-se o casamento, este talvez não houvesse ocorrido. Mas o fato é que não falava. Começou a fazer isto muito depois, quando lhe morreu a sogra (dizem que de desgosto). E, no que o fez, revelou-se sua monumental e espantosa ignorância. Era uma ignorância sólida e definitiva, resistente a qualquer aprendizado. Ou porque não queria aprender ou por que não podia. Em vão o marido tentou. Acabou por desistir e refugiando-se numa relação muda que só era sustentada (segundo contam) pelas noites em que o desempenho de Eudoxia era tão portentoso quando sua ignorância.  O sogro, um homem culto que lia francês, não suportando as barbaridades proferidas pela nora, mudou-se para uma de suas outras fazendas deixando espaço para que Eudoxia, reinando soberana na imensa casa da fazenda, começasse a se dar ares de grande dama. Se não abrisse a boca poderia até passar por uma. Tinha um extraordinário talento para imitar as posturas, gestos e maneirismos das senhoras das fazendas vizinhas, estas sim, de nobre estirpe. Teria sido uma grande atriz. E de um certo modo o era, pois os fazendeiros lindeiros e suas famílias disputavam convites para os muitos jantares e ceias organizados por Eudoxia, nos quais lhes era oferecido o espetáculo de suas espantosas falas. As frases proferidas por Eudoxia eram de um ineditismo nunca visto e eram declamadas na mais perfeita impostação e com a nobre pose que havia incorporado. Impiedosos, e para tristeza e desânimo de meu tataravô, os visinhos rivalizavam-se na arte de conduzir a conversa para assuntos que garantissem o enunciado de algumas expressões que já faziam parte do anedotário local. Como por exemplo: “piano em calda” pela qual D. Eudoxia designava o magnífico Steinway do salão. Mas a fama que lhe valeu registro em documentos guardados no Arquivo Nacional vem de um relato em que a platéia foi nada menos que o imperador Pedro I. Não se pode afirmar, mas D. Pedro, femeeiro por excelência (delicioso adjetivo com que o descreveu o historiador Otávio Tarquínio de Souza), pode ter tido notícia da beleza de D. Eudoxia e quem sabe esperançoso de algum favor da bela senhora, resolveu conferir. Como a fazenda ficava no caminho para São Paulo, nela decidiu pernoitar em uma de suas viagens. Mesmo hoje em dia nunca se sabe o que pode resultar de um pernoite, não é? Um mensageiro foi despachado para avisar o casal da honra que lhe seria concedida e, como é próprio de mensageiro de imperador, incorporou a importância do amo e adentrou a sala sem se fazer anunciar. D. Eudoxia indignada com esta intrusão indevida, proferiu a deliciosa interpelação: “E quem diremos que os senhores é?” Este espantoso modelo de concordância não deve ter sido repassado ao Imperador antes de sua chegada. Caso o houvesse sido ele teria escolhido melhor palavra para compor uma pergunta que fez à senhora, no dia seguinte, e que permitiu à bela engendrar a resposta que a tornou conhecida até os dias de hoje. Documentos relatam: D. Pedro, na manhã seguinte ao pernoite, em companhia dos anfitriões inspecionou os arredores da casa. Ao defrontar-se com o açude dispara ele a pergunta cruel: “Senhora D. Eudoxia, é este açude piscoso?”  Com um fino sorriso e do alto de sua importância, sem a menor hesitação e certa do que dizia ela respondeu:  Quando chuvisca ele pisca!”

1 Comentário + Comentar

Deixe um comentário





Voltar à página anterior Imprimir esta página

Patrocinadores

  • logo_aa

Design e Desenvolvimento - MagicSite Internet Solutions