Você está em: Inicial » Angola // Brasil // Cabo Verde // Crônicas // Matérias Especiais // Países // Portugal // São Tomé e Príncipe // Timor Leste » Histórias de família são sempre verdadeiras – Por Anna Maria A. Ribeiro

Histórias de família são sempre verdadeiras – Por Anna Maria A. Ribeiro

 

Foto do perfil de Anna Maria Assis Ribeiro Não sei onde escutei ou li esta afirmação. O fato é que me volta de tempos em tempos. Sobretudo quando escrevo sobre minha família e sobre meu Pai, origem da herança que recebi. O Pai deixou-me um tesouro aumentado em valor e importância por pessoas especiais brotadas nos galhos da árvore materna: tios, primos, Mãe, Avó e até o Avô, que nem conheci. Deste avô, ainda hoje, repetidas pela Avó, escuto palavras que me mostram caminhos. Por que este foi o meu legado. A partir da pergunta de uma neta, me dei conta de quantas crônicas já escrevi! Onde fui encontrar tanto assunto? Passei a manhã me relendo e percebi que os autores verdadeiros são o Pai e os outros. Encarapitados em meu ombro ditam tudo! Até aquelas que falam de coisas que não viveram. Como poderiam vivê-las? Estão todos mortos! Mesmo assim conversam comigo explicando o inexplicável, rindo de minhas dúvidas, escandalizando-se quando meto os pés pelas mãos, ensinando sem didática. Sempre o fizeram mesmo sabendo que a vida para mim não seria um cuidar de potros, jogar bridge, xadrez e pôquer, tirar tatu da toca, fazer goiabada cascão em tacho de cobre, criar cobra jibóia na trave do telhado do paiol, castrar coelhos, curar cólica de cavalos, ler Proust e Anatole France, amar matemática e exercer uma infinidade de outras atividades tão díspares quanto estas. Hoje percebo que esta salada maluca era intencional. Visava me fazer curiosa diante da vida para que esta se tornasse uma aventura. E foi assim que prazeres surgiram e ainda surgem. Mas, a maravilha maior é que, ainda hoje, me dão colo e, se estou sofrendo, vêm mansas as palavras mágicas: vai passar, minha nega. E um colo aos oitenta anos é a glória, não é? Entre a frase anterior e esta que se inicia se passaram muitas horas. Fui tomada de uma urgência irresistível: conversar com meu primo que mora em Miguel Pereira, num lindo sítio. Zezé, que nunca foi José Paulo para mim, tem minha idade. Meses mais velho era um companheirão. Mil aventuras vivemos juntos. Lembro-me do dia em que fomos expulsos do circo mambembe que havia aportado em Miguel Pereira. Pedimos bis várias vezes exigindo o retorno de um balé grotesco executado pela trapezista e a mulher gorda. Ao perceberem que era uma gozação, nos puseram para fora aos gritos, frente a toda platéia que nos vaiou. Na noite escura, de volta para casa, cavalos emparelhados e ao passo, nos censuramos rindo: foi mal! Naquele tempo não se usava esta expressão. Mas o sentido era exatamente este: conscientes do erro, mas não arrependidos. Hoje conversei horas com ele. Espantoso! As mesmas palavras e os mesmos códigos de mais de sessenta anos atrás. O “lembra?” pontuou palavras de lá e de cá entremeadas de informações e comentários do “hoje”, também de lá e de cá, dando a sensação de que não havia a distância criada por tantos anos passados. Vai ver esta não existe e memória não tem qualquer parâmetro. É como o pó de pirlimpimpim da Emília: pula-se de lá para cá em segundos. Dou-me conta de que preciso ir vê-lo. Abraçar gostoso e conversar na varanda junto a todos que se foram. Por que onde estivermos eles estarão. Não numa saudade doente e triste. Mas provocando risos e sorrisos. Eu deveria – se não fosse agnóstica – agradecer diariamente a Deus por esta santa família que me desvendou, muito antes de Nelson, a vida como ela é. Dizem (sei lá eu quem “dizem”) que angústias do passado impedem que se viva sem angústia no presente. E não é que eles me salvaram deste horror com uma terapia preventiva? Maluca, mas muito eficaz. Quando morreram já me haviam dado alta. Não pintaram a vida cor-de-rosa, não! Longe disto. Mas jamais criaram angústia. Criavam, sim, a consciência de que mesmo quando fosse difícil não seria o fim do mundo. Lembro-me de meu pai dizendo que livre arbítrio só existia no momento em que se tomava uma decisão ou um caminho. A partir da decisão que eu tomasse estaria irremediavelmente condenada a tudo de bom e de ruim que estaria nela embutido. E alertou: fica de olho. Bom e o mau sempre fazem parte das conseqüências de qualquer decisão! Sei lá como conseguiu deixar isto claro sem causar a tal angústia impeditiva de um futuro livre dela. Talvez por que desde que nasci me havia feito presente de armas e instrumentos (que foram mudando a cada idade) para que eu pudesse enfrentar os “ruins” sem que isto impedisse usufruir os “bons”. Neste mesmo sentido (nem sempre tão explícitos, mas na prática) também se empenharam os outros. E foi assim que aportei nos oitenta, na bisavó, na vida profissional, nos filhos, nas netas e nas histórias de família tão verdadeiras. O bom e o ruim aconteceram – e como! – mas até agora estou dando conta. Nem sempre da melhor maneira ou com total competência. Longe disso! Mas o bastante para impedir amargura, culpa, frustração e desânimo. Que saudade dessa gente! Anjos da guarda que me fizeram entender, muito depois de terem partido, o sentido do que me disse um muito querido amigo: implacável o tempo não para; mas, cá pra nós, a vida é ruim, mas é muito boa!  

E-mail:annadeassis@gmail.com

1 Comentário + Comentar

Deixe um comentário





Voltar à página anterior Imprimir esta página

Patrocinadores

  • logo_aa

Design e Desenvolvimento - MagicSite Internet Solutions