Você está em: Inicial » Angola // Brasil // Cabo Verde // Crônicas // Goa, Damão e Diu // Guiné-Bissau // Macau // Matérias Especiais // Moçambique // Países // Portugal // São Tomé e Príncipe // Timor Leste » Pão de Açúcar e Outras Comsiderações – Por Anna Maria A. Ribeiro

Pão de Açúcar e Outras Comsiderações – Por Anna Maria A. Ribeiro

 Foto do perfil de Anna Maria Assis RibeiroSó ontem lhe disseram. E desde então não lhe sai da cabeça. É ridículo mas nem pôde  dormir. Direito é direito. Não se pode abrir mão de um, nos tempos que correm, tão escassos deles. Como é que ela não sabia disso? Devia existir uma publicação. Não diria diária, mas assim, de vez em quando. Imagina que nome teria. “Promoções para terceira idade”… Qualquer coisa do gênero. Como não existe, foi por acaso que ficou sabendo que poderia andar no bondinho do Pão de Açúcar, sem pagar ou pela metade do preço, sabe lá ela. Percebe uma certa lógica nisso. Pode no metrô que anda por baixo… pode no ônibus que anda na superfície… Deve poder em alguma coisa que ande pelos altos. Avião não pode. As companhias aéreas ainda não descobriram a terceira idade. Então, pelos ares, só pode mesmo ser o bondinho. Ela anda fazendo coleção dessas “benesses” e trata logo de usá-las numa sensação de privilégio que é bastante agradável. Mas desta vez criou-se um problema. Alguém vai ao Pão de Açúcar sozinho? Fica um tanto esquisito, não? Que ela se lembre, todas as vezes que foi, foi em bando. Bando de crianças, bando de amigos de outros estados, de outros países, de convencionais das mais variadas convenções, e o que mais tenha. E agora não existe um só bando em que possa se incluir. As netas vão olhar com um certo espanto se fizer o convite. Pode ser até que se disponham a ir, mas certamente vão achar estranho e ser olhada com estranheza, na idade dela, é pra lá de perigoso. Pode levar a elucubrações sobre o funcionamento de seu cérebro que, cá pra nós, ainda dá pro gasto. Todas as crianças que conhece já foram e não têm a menor vontade de ir de novo, muito mais interessadas que estão nos Godzillas da vida. Já não vai mais a convenções, seminários e outros que tais. Vez por outra vê em jornais e folhetos, anúncios de passeios para terceira idade. Nenhum ao Pão de Açúcar. Tem ida a boates, a teatros, a restaurantes, passeios de barco, mas Pão de Açúcar, não! Pode, é claro, ficar na espreita, lá na entrada e se introduzir, como quem não quer nada, a um grupo de turistas de outra nacionalidade que não sabendo falar português estariam impossibilitados de interpela-la pela intromissão e, para os tupiniquins ela poderia perfeitamente passar por velha italiana, velha francesa ou mesmo velha inglesa. Mas estas nacionalidades em grupo são raras e a espera de um desses grupos poderia levar dias, meses. Os americanos são mais comuns mas para velha americana não leva jeito. Esfuziantes estampados e chapeuzinhos ela não os tem. Os grupos japoneses pululam mas é óbvio que eu não iria passar desapercebida entre eles. Fazer o que? Claro que mesmo sendo um tanto inadequado, pode ir sozinha. Mas como é que vai se comportar sozinha no Pão de Açúcar? Aquela cara de “que beleza!” não dá pra fazer durante muito tempo sem falar alguma coisa. E falar sozinha é outro dos perigos que precisa a todo custo evitar. Pega mal. Ficar vagando a esmo, como um expressão vazia e sem falar, poderia ensejar a que alguém tentasse recolhe-la como uma velha desmemoriada que por lá, e sabe-se Deus como, perdeu o rumo de casa. Uma coisa puxa a outra, não é? Deixa com tristeza o Pão de Açúcar de lado e concentra-se no “ir sozinha”. É espantoso! Os da terceira idade não conseguem “ir sozinho”. A qualquer lugar. Todo um cortejo de parentes, acompanhantes e, para os mais abonados, motoristas, se empenha e levar vovó, levar a bisa. “Quem vai levar vovó?” e está posto o problema. Discussões, desculpas e arrazoados familiares se impõem a cada reunião de família. Pode, em alguns casos, em que a vovó é maneira, haver até uma disputa para ter o privilégio. Não importa. De qualquer modo, “leva-se vovó”, sem que ninguém se pergunte se vovó gostaria de ir sozinha, saindo a hora que quisesse e voltando idem. Tomando um taxi e livrando-se da sensação de ser “levada”. Pula daí para outras paragens: não tem mais carro. Por que? É uma história longa que tem a ver com o INSS. A sigla lhe causa um arrepio desagradável. Melhor ir dormir. Dane-se o Pão de Açúcar. 

  Anna Maria Assis Ribeiro <annadeassis@gmail.com>              

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário





Voltar à página anterior Imprimir esta página

Patrocinadores

  • logo_aa

Design e Desenvolvimento - MagicSite Internet Solutions